Público-alvo

Comunidades e famílias gravemente carenciadas no tema habitacional, nomeadamente as residentes em territórios que foram palco de desastres naturais – sismos, tsunamis, cheias, deslizamentos de terras, incêndios, ciclones e furacões, etc – e de conflitos armados – guerras, guerras civis, guerrilhas, actos de terrorismo, etc – ou de extrema pobreza – territórios com escassez de água e de outros recursos naturais e artificiais, como seja áreas da África subsariana, em particular no corno da África e nos países de expressão portuguesa, ou com graves insuficiências ao nível das infra-estruturas e serviços sociais básicos, como sejam bairros de barracas e favelas, como no Brasil, ou ainda países em desenvolvimento com fortes laços a Portugal, como sejam S.Tomé e Príncipe, Cabo Verde e Timor Leste.

Não obstante o seu foco nos cenários externos a Building For Humanity estará aberta a projectar e construir no território nacional, abordando quer áreas que foram palco de desastres naturais, quer áreas urbanas que apresentem graves carências habitacionais, nomeadamente na periferias de Lisboa e do Porto, ou carências de equipamentos colectivos nas áreas sociais e da saúde.

Neste último campo, inclui-se a prestação de serviços técnicos a instituições particulares de solidariedade social e outras do foro humanitário, como ordens religiosas.

Ainda na área habitacional, a conjugação de esforços com outras ONG’s a actuar junto de grupos étnicos, grupos de risco e junto de adultos de idade avançada, poderá conduzir a acções específicas, em particular na área da reabilitação urbana e arquitectónica, quer em centros históricos, quer em áreas urbanas periféricas degradadas.